quarta-feira, 5 de novembro de 2008

Aniversário segundo Rubem Alves

A celebração de mais um ano de vida é a celebração de um desfazer, um tempo que deixou de ser, não mais existe.Fósforo que foi riscado.Nunca mais acenderá.Daí a profunda sabedoria do ritual de soprar as velas em festa de aniversário.Se uma vela acesa é símbolo de vida, uma vez apagada ela se torna símbolo de morte.

5 comentários:

Gin e Rum disse...

Poxa,
Como repetir algo tão mórbido?
Se a vida é presente e o passado não passa de uma dúvida assim como o futuro, porque diferenciar a vida da morte?
O que é tão ruim assim? a vida ou depois dela?

Sds,
Gin.

LUCIANO Martini disse...

Vela apagada pode durar mais, porém tem uma vida vazia, sem graça. Vela que se acende, se consome, porém, brilha, aquece, revela, encanta, muda o ambiente. A morte não é mais uma inimiga, é um crepúsculo de um lindo dia.
Só está preparado para morrer, que aprendeu a viver...
Mórbido não é uma vela que se apaga, mas uma vela que nunca se acendeu.

Abraço, Gin.

Gin e Rum disse...

Continuo achando horrível esse conceito de aniversário.
Mas o teu comment está melhor que o post.
Deveria trocá-los de lugar.
Desculpa se fui meio grotesca. Não foi minha intenção.
Mas encarar a morte assim continua sendo utópico demais pra essa vela encandescente.
Abraços,
Gin.

Rosamaria disse...

Luciano,
Do Rubem tb: "A vida não pode ser economizada para amanhã. Acontece sempre no presente."
Por isso concordo demais com o seu post. A cada vela que apagamos, diminui o nosso tempo para mudar o mundo; mas ficamos mais confiantes que podemos mudar!!!
Abçs!
Rosamaria

Anônimo disse...

Todo ponto de vista é vista de um ponto. Enfim...