quarta-feira, 5 de agosto de 2009

Poetas e a História


A poesia acompanhou os agonizantes e estancou as dores, conduziu às vitórias, acompanhou os solitários, foi queimante como o fogo, leve e fresca como a neve, teve mãos, dedos e punhos, teve brotos como a primavera, teve olhos como a cidade de Granada, foi mais veloz do que os projeteis dirigidos, foi mais forte do que as fortalezas: deitou raízes no coração do homem. [...]Muitos governantes têm comunicação públicas com seus povos.
A poesia tem comunicação secreta com os sofrimentos do homem.
Há que ouvir os poetas.
É uma lição da história.



Pablo Neruda

Um comentário:

Maria Lapa disse...

Todos nós somos um pouco poetas, uns com mais intensidade, outros com mais suavidade, outros com mais ligeireza e outros com outra forma qualquer.

Parabéns pelo blogue.
Gostei muito de passar por aqui.

Bj
Maria